“Acabar Tudo Em Pizza”.

             Segundo nos informa o site Cultura Popular, quanto à origem da expressão: “Acabar Tudo Em Pizza”, diz que: “O termo surgiu através do futebol. Na década de 60, alguns cartolas palmeirenses se reuniram para resolver alguns problemas e durante 14 horas seguidas de brigas e discussões, estavam morrendo de fome. Então, todos foram a uma pizzaria, tomaram muito chope e pediram 18 pizzas gigantes. Depois disso, foram para casa e a paz reinou absolutamente. Depois desse episódio, Milton Peruzzi, que trabalhava na Gazeta Esportiva, fez uma manchete: “Crise do Palmeiras termina em pizza”. Daí em diante o termo pegou.”
              No episódio que originou o termo na briga dos cartolas palmeirense o termo veio como algo positivo: terminou em pizza. Ou seja, terminou em paz. Quando uma discussão traz o entendimento, ótimo. Quando da discussão se resolve um problema, que bom! Esta discussão trouxe luz que precisavam, a verdade, a compreensão e a harmonia.

            O acabar ou terminar em pizza, hoje normalmente tem uma outra conotação, ou seja, que as coisas não vão dar em nada. Quase de modo intencional, sem preocupação em buscar soluções. Se bem que os cartolas não resolveram os problemas, mas terminou em paz. Geralmente se aplica muito o termo hoje em relação aos políticos, para criticá-los, referindo-se a algo errado que não é resolvido sem que ninguém seja punido e sem nenhuma solução adequada. Daí então, se ouvir com frequência: “tudo acabou em pizza.”
            Normalmente o termo é usado hoje por todos, principalmente referindo-se à política, muitas vezes querendo dizer que não vai dar em nada. Então este terminar em pizza é péssimo, pois não traz nada consequente que deveria brotar das discussões, de diálogos, de busca de entendimento, dos encaminhamentos. Quem sabe tanto politicamente como em outros seguimentos sociais quisera um dia fizesse surgir à luz de nossas discussões a paz, daí o terminar em pizza seria bom demais dizer ao término dos problemas.

                                                        Pe. Emanuel Cordeiro Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *