Breve Comentário das cinco partes – Classificação dos Fenômenos Paranormais ou Parapsicológicos

(Este artigo de autoria de Pe. Emanuel Cordeiro Costa, está em processo de registro pela Fundação Biblioteca nacional, Protocolo 2017RJ23111.)


Introdução

Este artigo, para não ficar demais longo, revolvi dividi-lo em cincos partes distintas, estando separadas no site, para facilitar a leitura do internauta. Porém são sequenciais.

Apresento a Classificação dos Fenômenos Paranormais ou Parapsicológicos na visão das “Escolas de Parapsicologias Católica, Espirita e Cientifica Independente”. Para entender melhor cada parte do mesmo artigo sugiro ao internauta ler outro artigo de minha autoria publicado neste site Emana & Parapsicologia, sobre “Correntes (escolas) de Parapsicologia” no Brasil. Assim compreenderá melhor quando falo aqui da Classificação dos Fenômenos Paranormais ou Parapsicológicos a partir das “Escolas de Parapsicologia” no Brasil.

Reafirmando o dito anterior, esse artigo tem cinco partes divididas didaticamente para facilitar a compreensão do leitor. Publicadas separadamente, aqui site Emana & Parapsicologia.

Nas duas primeiras partes vemos a classificação dos fenômenos paranormais e parapsicológicos na visão de dois representantes da “escola católica” de Parapsicologia. Mais diretamente seguidores do grande parapsicólogo Pe. Oscar G. Quevedo.

Na terceira e quarta parte apresento a Classificação dos Fenômenos Paranormais e Parapsicológicos na visão da “Escola Espirita” de Parapsicologia. Na Terceira Parte a Classificação é de Valter da Rosa Borges de linha espirita e na Quarta Parte a Classificação, se é que assim posso dizer, pois não é tanto uma classificação, mas citação dos nomes dos Fenômenos estudados no Instituto de Parapsicologia de Joinville de linha espirita.

Já a última e quinta parte se refere a Classificação feita pelo Prof. Dr. Pedro Antônio Grisa, fundador do IPAPPI – Sistema Grisa. A Classificação se baseia numa das obras de Grisa que é “Paranormalidade – um potencial mental” e na matéria publicada no blog “Seguidores da Parapsicologia” que segue a linha de Grisa.

O internauta que leu meu artigo sobre “Correntes (Escolas) de Parapsicologia” no Brasil, sabe que nesse artigo expliquei bem que esta classificação é do Dr. Pedro Antônio Grisa. Com todo respeito a ele não significa que todos aceitam esta classificação e pela própria terminologia em “escola” e especificando como vem, traz alguns problemas e questionamentos e acabam também sendo rótulos colocados às pessoas e grupos nem sempre aceitas por eles. Uso esses rótulos, apesar de tudo, porque tem a vantagem, ainda, de ajudar o leitor a se situar melhor no texto quando falo de “escolas de parapsicologia” no Brasil. Porém, se nos prendermos aos rótulos acabamos reduzindo a compreensão daquilo que são produzidos por esses grupos de parapsicologia chamados de escolas.

Obs.: Ainda nesta introdução, coloco antes da primeira parte a Classificação dos Fenômenos Parapsicológicos feita por Pe. Oscar G. Quevedo. Bem simplificada. Os seus seguidores fazem suas classificações baseados nesta.

Pe. Quevedo apresenta duas divisões quanto a classificação do estudo dos Fenômenos Parapsicológicos. A primeira divisão é do ponto de vista da causa.

São eles:
Fenômenos extranormais;
Fenômenos paranormais;
Fenômenos Supranormais.

A segunda divisão, que se entrosa com a anterior, em relação a classificação dos Fenômenos parapsicológicos é esta:
De efeitos psíquicos;
De efeitos físicos ou de influxo do psiquismo sobre a matéria;
De efeitos mistos ou psicofísicos

 

Autor: Pe. Emanuel Cordeiro Costa
Parapsicólogo Clinico – SINPASC – 409.
Especialização – Lato Sensu em:
Orientação Parapsicológica Social e Institucional
Pela FAVI – Faculdade Vicentina – Curitiba – PR.
Psicoterapia Holistica: Hipnose –
Terapeuta Holistico Credenciado – CRT 48326
Paroquia Cristo Libertador
Ipatinga – MG – 16/11/17

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *