IV – Hiperestesia Indireta do Pensamento (HIP)

(Texto de Pe. Emanuel Cordeiro Costa com Certificado de Registro de Averbação na Fundação Biblioteca Nacional – EDA – Nº 771.101 – livro 1.496 – folha 219)

 

4.1 O que é HIP?

A captação do próprio estimulo, pelos sentidos diretamente, por mínimo que seja é a Hiperestesia Direta. A leitura sensorial do pensamento por contato, é Cumberlandismo. Porém, a leitura sensorial do pensamento pode se dar sem contato, o que chamamos de Hiperestesia Indireta do Pensamento (HIP). Indireta, porque o pensamento não é captado diretamente, mas através de seus reflexos. Todo fato psíquico implica um reflexo físico e esse reflexo se espalha pelo corpo todo da pessoa. Então, quando o ser humano pensa, sente e imagina, não o faz só com a cabeça, mas com todo o seu corpo, podendo trair as nossas experiências internas, por mais escondidas que eles pareçam ser.

A HIP é decodificação, é a interpretação ou filtragem do pensamento.

O pensamento se traduz em sinal fisiológico externo. O corpo fala. Transmite através de expressões inconscientes. Através da hiperestesia que é uma grande sensibilidade dos sentidos.

O pensamento se manifesta de alguma maneira, por algum sinal externo, ainda que mínimo, manifesta no corpo humano. Há movimento involuntários e inconsciente (subconsciente) no corpo humano, que corresponde as nossas ideias e ao pensamento humano.

4.2 Indiretamente captamos pensamentos e todos os atos psíquicos, sentimentos, emoções, lembranças, desejos e sensações.

Os sentidos não podem captar e conhecer diretamente o pensamento de outra pessoa, pois o pensamento é imaterial e não pode ser controlado pelos sentidos. Escapa aos sentidos. Mas indiretamente pode ser captado. A pessoa indiretamente pode captar não só o pensamento humano, mas todos os atos psíquicos, sentimentos, emoções, lembranças, desejos e sensações. Apenas pensar numa determinada ação pode mover nossos músculos de forma mínima, sem que tenhamos nem a vontade, nem o conhecimento desses movimentos.

Quando entramos no campo vibratório de outra pessoa captamos inconscientemente suas vibrações, por mínimas que elas se apresentam, captamos também seu significado. A captação inconsciente para o sensitivo se dá de maneira bem intensa, vindas até mesmo para o consciente.

4.3 Hiperestesia é diferente de Telepatia

Para haver Hiperestesia tem que a pessoa estar perto, a curta distância, podendo haver contato. Depende dos sentidos, da visão, audição, toque, etc. A Hiperestesia é diferente da telepatia. A Telepatia não depende dos sentidos. Nem da distância e nem mesmo do tempo.

4.4 As cordas vocais revelam os pensamentos.

“Quando pensamos, nossas cordas vocais também vibram numa frequência fraquíssima acompanhando nossos pensamentos (poderíamos dizer que nossos pensamentos falam). É claro que conscientemente não conseguimos ouvir esta frequência tão baixa. Mas inconscientemente em raras ocasiões é possível (HIP) ouvir o pensamento”. (MILAGROSA, 05/11/17).

4.5 O Inconsciente capta diretamente os reflexos sensoriais e indiretamente os pensamentos ou os atos psíquicos que os provocam.

“Através deste mecanismo, os pensamentos de qualquer pessoa passam às pessoas que estão presentes; tudo o que nós sentimos e imaginamos passa e não pode deixar de passar às pessoas que estão presentes. Essas pessoas, inconscientemente, captam de uma forma direta, os reflexos sensoriais e indiretamente os pensamentos ou os atos psíquicos que os provocaram. Este é o mecanismo da Faculdade Hiperestesia Indireta do Pensamento, a HIP, mecanismo certamente complexo, impossível de ser explicado em poucas palavras”. (MILAGROSA, 05/11/17).

 

Conclusão

Neste artigo tratei do tema procurando dar uma conceituação breve do assunto. Em outros artigos exemplificarei esse tema o que o tornará a um pouco mais claro e compreensivo.

 

Referências

QUEVEDO, Oscar G. A Face Oculta da Mente. 19ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP, 2003.

FRIDERICHS, Edivino Augusto. Panorama da Parapsicologia ao Alcance de Todos. 5ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP. 1997.

BOSSA, Benjamim. Parapsicologia – O poder da mente e os mistérios da vida. 3ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP, 1997.

FILHO, Pe. Raimundo Elias. Mistério do Aquém e do Além à Luz da Parapsicologia. 2ª edição, Editora Paulus, São Paulo – SP, 2003.

MILAGROSA, Medalha. Boletim de Parapsicologia – Pe. Quevedo – Ativo em 05/11/17
http://medalha.tripod.com/parapsicologia/boletim18.htm

 

Autor: Pe. Emanuel Cordeiro Costa
Parapsicólogo Clinico – SINPASC – 409.
Especialização – Lato Sensu em
Orientação Parapsicológica Social e Institucional
Pela FAVI – Faculdade Vicentina – Curitiba – PR.
Psicoterapia Holística: Hipnose
Terapeuta Holístico Credenciado – CRT 48326
– Paroquia Cristo Libertador
Ipatinga – MG – 12/12/2017

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *