Evangelho de Marcos, capítulo 1, versículo 2-8

 

Quanto aos versículos aqui mencionados, convido o internauta a fazer a leitura dos mesmos em sua própria bíblia. Esses versículos nos preparam para a leitura de todo o evangelho de Marcos e nos fala do seguimento de Jesus, o que torna para nós um forte apelo a segui-lo.

Parte do versículo 2 nos fala: “Eis que eu envio o meu mensageiro na tua frente, para preparar o teu caminho”. Esse trecho vem de Malaquias capitulo 3,1 e também de Isaias 40,3. O importante que o caminho do Messias é o caminho de Deus. O Messias que vai chegar vai trilhar os caminhos de Deus. Não só Malaquias e Isaias, mas no livro do Êxodo 23,3 nos fala também do caminho. Portanto, o caminho de Deus que o Messias vai buscar é o do Êxodo, ou seja o da nossa libertação.

No versículo 3 diz que uma voz clama no deserto. O deserto é apresentado como uma alternativa ao Templo. O Templo não era apenas o centro religioso, mas também o centro econômico e político. A religião ao lado do poder dominante político e econômico. Preparar o caminho de Deus vem à revelia do poder dominante. O texto ao falar “endireitar suas estradas” propõe nivelamento das relações passando de uma sociedade desigual e injusta para a busca sempre da igualdade e justiça.

Quem é o mensageiro? No versículo 4, fala que João Batista apareceu no deserto e no versículo 6 que ele “andava vestido de pelo de camelo e trazia um cinto de couro em volta dos rins, e alimenta-se de gafanhotos e mil silvestre”. O Templo era considerado o único lugar de encontro com Deus. O deserto como se encontra João Batista relembra o profeta Elias (II Reis 1,8). João é semelhante a Elias. Com João no deserto, é preparar através da profecia o caminho do Messias. Elias era contra a manipulação que se fazia da religião explorando o povo. O deserto é o retorno ao caminho profético.

Nos versículos 5, 7 e 8, João anuncia um batismo de conversão para o perdão dos pecados. Fala que chegará alguém mais forte do que ele e que trará o Espirito Santo. Quem recebe o batismo de João deve seguir o caminho de Deus que o Messias indicará. É estar firme, disposto a receber, acolher a Boa Notícia, estando aberto ao perdão de Deus. No versículo 5: “e saiam para ter com ele toda a Judeia, toda Jerusalém, e eram batizados por ele no rio Jordão, confessando os seus pecados. ” No versículo 7 ao falar que vem alguém mais poderoso (Mais forte), reconhece que ele não é o Messias. É apenas servidor do Messias. Dizer mais forte, é que haverá luta, conflito com forças de maior poder. O batismo no Espirito Santo. É o Espirito a força necessária para combater os poderes que o próprio Messias Iria enfrentar.

 

Conclusão
Existe em nós disposição para mudança, a fim de seguir o caminho do Messias? Nem sempre a Boa Notícia é aceita por todos, gerando conflito. Cremos que o Espirito Santo esta presente nos dando discernimento e fortaleza? Estamos dispostos a irmos para o deserto. Caminho de libertação de todo o povo de Deus, abraçando a profecia, dispostos a construir um mundo melhor?

 

Autor: Pe. Emanuel Cordeiro Costa
Paroquia Cristo Libertador
Ipatinga – MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *