Pesquisas cientificas da parapsicologia – número 1

 

              A Parapsicologia não se prende somente ao estudo laboratorial. Pois a Fenomenologia parapsicológica se dá de maneira espontânea, por isso, nem sempre se dá em laboratório, mesmo assim se comprovam a autenticidade dos fenômenos espontâneos. Em 1934, J.B. Rhine visando provocar uma reação no mundo cientifico e acadêmico publicou inúmeras pesquisas com muito rigor metológico, ou seja, com uma metodologia cientifica. Isso se deu no seu livro: “A Percepção Extra-Sensorial” (Extra-Sensory Perception). Foi um trabalho preliminar, porém atingiu o seu objetivo.
               Em relação a Percepção Extra-Senrorial ou Psi-Gamma (neste site tem uma matéria explicando este assunto na parte de Fenomenologia, é só conferir) é dado um exemplo das pesquisas de Rhine pelo parapsicólogo Pe. Edvino. Veja:
                “O Dr. Pratt, diplomado em Psicologia, manipulava um pacote de cartas de baralho especial, no edifício atual da Faculdade de Ciências da Universidade Duke. Entrementes, o sensitivo Dr. Hubert Pearce, estudante de Parapsicologia e doutor em Teologia estava em outro edifício, no atual gabinete de leitura a uma distância de uns cem metros. Antes de dirigir-se cada qual para o seu gabinete, sincronizavam exatamente os relógios. No momento combinado o Dr. Pratt baralhou as cartas com cuidado colocando o baralho no ângulo esquerdo da mesa, pegou a primeira carta, e sem olhá-la, pô-la com a figura para baixo sobre um livro no meio da mesa. Esperava assim um minuto. Depois retirava a carta, sem olhá-la, passando-a ao ângulo direito, sempre com a figura para baixo. Processo idêntico usou com as restantes cartas, até passar todas as vinte e cinco do baralho Zenner. Cada prova, durava 25 minutos. No conjunto de trezentos intentos (300) o Dr. Pearce acertou 119 vezes.
               O Dr. Pratt anotava depois a ordem das cartas em duplicata e enviara uma das cópias, em envelope fechado e selado ao Dr. Rhine, antes de reunir-se com o metagnomo. O Dr. Pearce, no gabinete do outro edifício, tinha consigniado na sua folha de registro, a cada minuto, o símbolo da carta que a seu parecer o Dr. Pratt tinha retirado nesse minuto. Ao final de vinte e cinco minutos ele também fazia uma comunicação em dobro e selada, mandava uma das copias ao Dr. Rhine. Este conferia os resultados independentemente dos Drs. Pratt e Pearce.
               A evidencia do resultado obtido por Perace se impões por mesmo. O normal teria sido acertar uma 60 (sessenta) vezes em trezentas tentativas. Então poderia ser atribuído ao acaso. Mas o Dr. Poearce acertou 119 vezes. A possiblidade de tal resultado, segundo as estatísticas está expressa por uma fração de 1 sobre uma unidade seguida de 15 zeros.
                Isto quer dizer, que um número astronômico como 10 na decima quinta potência, há somente uma chance de se atribuir a experiência ao acaso. Portanto, está excluído de todo”. (FRIDERICHS, 1997, p. 60-61).
                O Parapsicólogo Pe. Quevedo, também, em dois de seus livros publicara esse exemplo. No livro: “O que é Parapsicologia” e publicou no seu livro: “A Face Oculta da Mente”.
                Sobre estas pesquisas prossegue Pe. Edvino dizendo:
               “De 1934 até até 1940 foram realizadas só na Universidade Duke 2.966.348 tentativas, com resultados altamente satisfatórios, de acordo com o cálculo das possiblidades.
                “Além de Rhine e sua equipe é mister mencionar também as valiosas contribuições de outros parapsicólogos de renome, que pesquisavam na mesma linha animista, tais como S. G. Soal, W. Carington, Dr. Riess e outros. Lançando uma vista de conjunto sobre a imensidade do trabalho prestado nesta pesquisa, os milhares de casos espontâneos recolhidos nos inquéritos e revistas cientificas, as observações e experiências no gabinete do médico ou hipnólogo, milhares de experiências dos metapsíquicos, os milhões de experiências dos parapsicólogos… poucas verdades da Física ou da Biologia estarão tão demonstradas como a existência no homem da faculdade de conhecimento extra-sensorial.
                 Portanto, existe realmente no homem uma faculdade de conhecimento diferente de quanto a Ciência pode atribuir aos sentidos”. (FRIDERICHS, 1997, p. 61)

 

Conclusão
                Publiquei neste site uma matéria intitulada: “Parapsicologia é Ciência na visão de Três Correntes de Parapsicologia”. Este artigo com o exemplo dado das pesquisas de Rhine vem confirmar os estudos da parapsicologia enquanto ciência. E o exemplo dado é de Psi-Gamma ou Percepção Extra-Sensorial.

 

 Referência Bibliográfica
FRIDERICHS, Edvino Augusto. Panorama da Parapsicologia ao Alcance de Todos. 5ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP. 1997.

QUEVEDO, Oscar G. O que é Parapsicologia. 37ª edição. Editora Loyola,
São Paulo –SP, 1971.
________________. A Face Oculta da Mente. 19ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP, 2003.

 

Autor: Pe. Emanuel Cordeiro Costa
– Parapsicólogo Clinico – SINPASC – 409.
Especialização – Lato Sensu em
Orientação Parapsicológica Social e Institucional
Pela FAVI – Faculdade Vicentina – Curitiba – PR.
– Psicoterapia Holística: Hipnose –
Terapeuta Holístico Credenciado – CRT 48326
– Paroquia Cristo Libertador
Ipatinga – MG – 13/02/18

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *