PreCognição – número 11 – Falsa PreCognição: Heteroscopia


Introdução

            Gosto sempre de frisar que estes fenômenos que tenho apresentado sobre PreCognição e Falsa PreCognição estão sendo mostrados dentro da visão da escola de parapsicologia do Pe. Quevedo. Normalmente as outras correntes de Parapsicologia no Brasil não apresenta os fenômenos sobre este enfoque e nem abordam as falsas precognições. Os dois fenômenos estudados anteriores que são: Autoscopia e Eaustoscopia e este que apresento neste artigo que Heteroscopia, não são considerados PreCognição mesmo dando esta impressão, pois se tratam mais de Hiperestesia. Há publicado neste mesmo site artigos sobre Hiperestesia Direta e Indireta, que o internauta os lendo compreenderá melhor este também.


Significado da palavra
Heteroscopia vem de: scopeo = ver, e de hetero = outro.

O que é.
Na Heteroscopia existe uma visão alucinatória dos órgãos internos de outra pessoa. O inconsciente capta por heteroscopia ou seja, por meio dos sentidos, portanto, por meio da hiperestesia sintomas de doença de outra pessoa. O que muitas vezes é considerado uma PreCognição. Este é um fenômeno Paranormal e não Extranormal de Conhecimento, como é a Hiperestesia.


Fotografia mostra enfermidade e heteroscopia também.

            Consegue-se ver enfermidades por meio de fotografias e por meio da heterescopia também, só que esta se dá através da hiperestesia. Se descobri que por meio de “ampliações em fotografias coloridas, pequenas erupções vermelhas no rosto de pessoas ligeiramente febris. (QUEVEDO, 2003, p. 234). Sabe-se que por meio da “visão normal não descobriria absolutamente nada. Pouco depois se declaravam nessas pessoas as erupções da varíola ou do sarampo”. (QUEVEDO, 2003, p. 234).

Não é PreCognição.
            Como se capta por meio de fotografia sintomas de doenças, o mesmo se dá pela heterescopia, que tem seu fundamento na hiperestesia. Não sendo, portanto, PreCognição. Na heterescopia se capta sintomas da doença de outra pessoa através da hiperestesia, ou seja, pelos sentidos. Então, erradamente pode considerar PreCognição ou “adivinhação” como se o adivinho estivesse captando um fenômeno paranormal além dos sentidos. Quando isto ocorre seria então a verdadeira PreCognição.

 

Sobre a Hiperestesia tanto Direta como Indireta.
                “Toda ideia, até inconsciente, que ocupa o nosso cérebro se reflete em sinal externo… Assim, quando o nosso inconsciente capta os primeiros sintomas ou primeiros prodómos de uma doença, ou chega já, a partir daí, a deduzir ele mesmo a manifestação de uma doença futura, essa ideia inconsciente tem seu reflexo fisiológicos externo”. (QUEVEDO, 2003, p. 234).
                 Aí ocorre a hiperestesia, principalmente hiperestesia indireta do pensamento. Por meio desta outra pessoa pode captar em “nós os sintomas ou ideias de uma futura doença”. (QUEVEDO, 2003, p. 234).

Exemplo
            Um exemplo de heterosocopia que tornou famoso foi por ter acontecido com um médico conceituado por sua seriedade cientifica. Este é o Dr. De Semyn,
            “Que viu, em sonho, que seu filhinho, de quatros anos, caía no fogão e morria carbonizado. Acordou horrorizado e, sem poder evita-lo, correu ao quarto do filho. ‘Graça a Deus’ – exclamou ao encontrar o filho dormindo placidamente –, ‘não é mais do que um sonho’.
            O menino passou a noite e a manhã seguinte perfeitamente, mas, ao meio-dia, foi tomado de febre altíssima. O pai, médico, horrorizou-se, compreendendo que seu nítido e estranho sonho fora uma dramatização inconsciente, prognosticando a febre que agora padecia seu filho. Compreendeu que seu filho estava perdido, apesar de uma colega chamado assegurar que a doença não era grave. O pai estava convencido do desenlace fatal. Com efeito, a doença se agravou cada vez mais e o menino morreu de broncopneumonia generalizada”. (QUEVEDO, 2003, p. 235).

Explicação do Exemplo do Dr. De Semyn.
            “Certos sintomas captados hiperestesicamente pelo inconsciente do pai médico permitiriam o prognóstico, seja captando diretamente os sintomas, ou captando os sinais refletidos pelo inconsciente do próprio menino”. (QUEVEDO, 2003, p. 235).

 

Conclusão
            Procurei nesta sequência desses artigos (já no seu número 11) sobre a PreCognições e Falsas PreCognições, abordar mais um que é Heteroscopia. Assim gradativamente o internauta pode ir conhecendo melhor o assunto e com certeza se você tem acompanhado as publicações, lendo-as na sequencia já tem uma boa noção e conhecimento deste tema mesmo apresentado de modo sucinto. Então prossiga nas suas leituras dos demais artigos publicados neste site.

 

Referencias
QUEVEDO, Oscar G. A Face Oculta da Mente. 19ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP, 2003.

FILHO, Pe. Raimundo Elias. Mistério do Aquém e do Além à Luz da Parapsicologia. 2ª edição, Editora Paulus, São Paulo – SP, 2003.

Autor: Pe. Emanuel Cordeiro Costa
Parapsicólogo Clinico – SINPASC – 409.
Especialização – Lato Sensu em:
Orientação Parapsicológica Social e Institucional
Pela FAVI – Faculdade Vicentina – Curitiba – PR.
– Psicoterapia Holística: Hipnose –
Terapeuta Holístico Credenciado – CRT 48326
– Paroquia Cristo Libertador
Ipatinga – MG – 22/03/18

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *