PreCognição – número 12 – Falsa PreCognição: Hiperestesia Indireta do Pensamento (HIP) e Talento do Inconsciente.


Introdução

            Importante ainda mencionar como Falsas PreCognições a Hiperestesia Indireta e o Talento do Inconsciente na linha de pensamento da escola de Parapsicologia de Pe. Quevedo e praticamente assim estou fechando o ciclo de estudo das falsas PreCognições nestes artigos publicados no site Emana e Parapsicologia.


Exemplo de um caso de HIP

               Este exemplo é dado por Pe. Quevedo, que por sua vez tirou de uma citação feita por Charles Richet (em Tratado de Metapsíquica, publicado na segunda edição, Paris, Alcan, 1923, pagina 465).  Veja o Exemplo:
            ‘A’ se entrevista com ‘B’ para discutir uma futura associação comercial. Fica muito favoravelmente impressionado e decide tomar a ‘B’ como sócio. Aquela noite tem o seguinte sonho. ‘Vejo ‘B’ no escritório, repassando os livros e examinando os números para ocultar um desfalque que tinha dado, como desvio de grande quantia.’ Acorda e como está acostumado a prestar atenção aos sonhos especiais, fica um pouco intrigado. Depois pensa que muitos sonhos são a expressão de nossos desejos irracionais segundo algumas teorias. O sonho, pensa, só indica o seu próprio caráter propenso à concorrência com matrizes de hostilidade. Tenta convencer-se de que isso e nada mais é que o levou a pensar mal de seu sócio. E rejeita o seu sonho irracional.
            Em outras ocasiões, em sonhos e acordado, sente suspeitas semelhantes. Rejeita-os de novo como irracionais; seu sócio, tudo o demonstra, é um modelo de probidade. Assim, com repetidos sonhos e suspeitas de desfalque e de emenda nos livros, vão passando os anos. Até que, por fim, um dia descobre que ‘B’ tinha desviado realmente enormes quantidades de dinheiro e que tinha ocultado a malversação com falsos assentos nos livros de contas”. (QUEVEDO, 2003, p. 235-236).

Explicação do exemplo do caso de HIP
            “A análise clínica dos sonhos e associações do inconsciente e ‘A’ demonstrou que o inconsciente tinha percebido, já no primeiro encontro, facetas suspeitas no caráter de ‘B’, mas no consciente não só desaparecia esta impressão desfavorável, mas aparecia totalmente o contrário. No decorrer dos anos, no convívio continuo com o sócio, foi manifestando-se em frequentes avisos a hiperestesia indireta do pensamento.
            Compreende-se que a hiperestesia indireta do pensamento, ao menos uma hiperestesia inconsciente, pode ser uma das mais importantes causas de aparentes precognições”. (QUEVEDO, 2003, p. 236).


Talento do inconsciente
            Pe. Raimundo, da escola de parapsicologia ligada ao Pe. Quevedo, também fala das falsas PreCognições, neste caso através do inconsciente. Este tem uma capacidade de deduzir, aliado a uma Pantominésia, não sendo com isso ainda uma autentica precognição. “O inconsciente tem grande capacidade de dedução, grande talento, aliado à memória perfeita de tudo”. (FILHO, 2003, p. 40). O adivinho pode ao adivinhar estar usando apenas essas potencialidades do inconsciente, dando a entender PreCognição. O que pode ser uma visão projetado do futuro, com elementos conhecidos do presente. “As explicações para a aparente precognição são muitas. Todavia, não querem provar que a precognição autentica seja impossível de acontecer, mas quando acontece, o faz raramente”. (FILHO, 2003, p. 40).

           

Sobre as falsas PreCognições ou PseudoPrecognições.
              Na sequência dos artigos abordando as PreCognições e as Falsas PreCognições, no artigo número três, intitulado: PreCognição – número 3 – Falsa PreCognição (PseudoPreCognição), cito as PseudoPreCognições. São elas: Truques, Esperteza, Imprecisão de Estilo, Casualidades, Paramnésia, Inibição, Sugestão e Autossugestão, Hiperestesia Direta ou Indireta, Autoscopia, Eautoscopia, Heterecospia, Talento do inconsciente e também Possibilidades de Outras Causas.

            Em quase todas as Falsas PreCognições normalmente ocorre a Hiperestesia. Na sequência dos artigos desta temática, procurei explicar praticamente todas de maneira sucinta. Neste artigo ainda exemplifiquei a ocorrência de uma Hiperestesia indireta que pode passar como PreCognição. E o inconsciente pelo seu talento pode nos trazer coisas vindas dos sentidos normais parecendo ser PreCognição. E esta, na visão da parapsicologia de Quevedo é Extra-Sensorial. Há outras possibilidades além destas mencionadas aqui que podem dar a impressão de PreCognição sendo apenas aparente e não uma PreCognição real.


Conclusão
            Espero que o internauta possa ter lido os artigos sobre PreCognição e Falsa PreCognição na sequência, que com certeza terá ajudado a compreender o assunto que mesmo tendo a sua complexidade não é difícil de compreende-lo. E outros artigos sobre a autentica PreCognição vou lançar aqui também no site e sobre outros fenômenos também. E alguns na abordagem de outras correntes de parapsicologia também.


Referência Bibliográfica
QUEVEDO, Oscar G. A Face Oculta da Mente. 19ª edição. Edições Loyola, São Paulo – SP, 2003.

FILHO, Pe. Raimundo Elias. Mistério do Aquém e do Além à Luz da Parapsicologia. 2ª edição, Editora Paulus, São Paulo – SP, 2003.
                                                

Autor: Pe. Emanuel Cordeiro Costa
Parapsicólogo Clínico – SINPASC – 409.
Especialização – Lato Sensu em:
Orientação Parapsicológica Social e Institucional
Pela FAVI – Faculdade Vicentina – Curitiba – PR.
– Psicoterapia Holística: Hipnose –
Terapeuta Holístico Credenciado – CRT 48326
– Paroquia Cristo Libertador
Ipatinga – MG – 03/04/18

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *