O Pecado

(Bíblia Nº 14)

O livro do Gênese, do capitulo 2, verso 5 em diante foi escrito pelos profetas por volta do ano 950 a.C. O Rei Salomão (970-930 a.C.). Era muito sábio, mas muito ambicioso. Ele oprimia o povo. Traiu seu povo, causando muitos males sociais, políticos, religiosos e econômicos. Preocupados com esses problemas criados por Salomão, alguns profetas escreveram os capítulos 2 e 3 do Gênese. Eles quiseram mostrar ao povo que Deus não era o culpado da opressão e que todos deveriam lutar unidos para mudar as coisas e construir uma nova sociedade. O paraíso devia ser reconstruído. Numa linguagem cheia de símbolos, afirma que Deus criou o homem do barro (matéria) e colocou dentro dele o seu sopro (espírito). Com isso, entendemos que o homem não é igual a Deus e nem igual a um animal, mas uma criatura de Deus inferior a Deus e superior ao animal irracional. A mulher é também uma criatura de Deus, com a mesma dignidade do homem e tem, com ele, a missão de cultivar e administrar o universo.

Serpente é um nome simbólico. A serpente era um sinal da religião dos cananeus, terra que os israelitas conquistaram, e os costumes dos cananeus influíram nos costumes israelitas. Serpente é um animal traidor e mau.

Os cananeus tinham vários deuses (ídolos) e o principal era o deus Baal, nome que designava o deus de cada lugar de Canaã. O seu culto tinha ritos, mas era vazio e sem compromissos de vida. A vida era cheia de mordomias e futilidades. Vida fácil. Para os israelitas a serpente, que era sinal da religião dos cananeus, representava a tentação ao afastamento do Deus verdadeiro; por isso ela entra em cena no paraíso. Os israelitas se casavam com mulheres cananeias e se entregavam à idolatria de Baal, praticando a infidelidade a Javé (Deus).

Paraíso
Depois que a Bíblia nos descreveu a criação do mundo, ela afirma que o Paraíso Terrestre era um lugar sem dores, sem sofrimentos e problemas, destinado não só a Adão e Eva, mas a todos os seus descentes. Aconteceu a desobediência de Adão e Eva, num momento triste da história humana. Foi o primeiro pecado do homem, a fonte de todos os males. Este pecado é chamado pecado original, acontecido na origem da humanidade.

Perda do Paraiso
Adão e Eva, por orgulho, quiseram ser iguais a Deus. Foram castigados com a perda da felicidade do Paraíso Terrestre (Gênese 3,1-24).

É preciso ter consciência clara sobre o pecado, para não se enganar. O próprio Jesus nos diz: “Se desejares a mulher do próximo em teu coração, já cometeste adultério” (Mt5,28). Chamamos pecado individual o pecado cometido pelo indivíduo, pela pessoa.

Existe o pecado social. É o pecado que não depende da vontade de todas as pessoas, mas atinge ao mesmo tempo muitas pessoas, como as guerras, roubos, injustiça social, ódio, miséria, violência, vícios, a moda, etc. Jesus nos diz: “Mas o que sai da boca procede do coração e é isto que torna o homem impuro. Com efeito, é do coração que procedem as más intenções, homicídios, adultérios, prostituições, roubos, falsos testemunhos e difamações” (Mt 15,18-19).

Sair do pecado nos convertendo à construção de um mundo novo.
Reconstruir a Igreja depende da ação de cada um de nós. Deus quer amor e fidelidade para todos. Não aceita que um filho seu se aproveite dos outros irmãos. Não aceita que haja ricos oprimindo pobres, opressores e oprimidos, que o homem escravize a mulher e que um povo explore o outro povo, já que o mundo foi criado para todos.

O pecado estraga o projeto de Deus, enchendo o mundo de injustiças. Isto acontece porque não seguimos a vontade do Pai e não vivemos como irmãos. Assim aconteceu com Adão e Eva, que quiseram ser iguais a Deus e saíram-se mal. Mas Deus nunca desistiu de seu projeto, continua querendo a justiça e a fraternidade entre todos os homens. Ele quer a nossa participação na reconstrução do seu projeto, levando a sua palavra de vida aos outros.

 

Fonte: A Bíblia nas Mãos do Povo – Encontros para os grupos – Antigo Testamento – Lourenço Gauci – Editora Ave-Maria – p. 22-24. – 2º edição 1996.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *