>> Artigos Pe. Emanuel Pau que nasce torto, morre torto
 
 

Pau que nasce torto, morre torto

E-mail Imprimir PDF

 alt     Se tomarmos literalmente o dito popular, estaremos nos referindo ao pau madeira. A uma árvore. Aí a frase se justifica e é verdadeira. Porém, normalmente a frase dita se refere à pessoa humana e quem a diz tenta mostrar que a pessoa não muda.
      Aplicar indiscriminadamente a frase ao ser humano é um grande erro. Por pior que seja a pessoa a que se refira, ela não é uma árvore, não é madeira. Somos pelo contrário muito diferentes de uma planta.
      Uma árvore que nasce torta, com galhos tortos realmente morre torta. Mas o ser humano não é pau. Portanto, passível de mudanças.
      Mudanças de comportamento, hábitos e atitudes são difíceis e não são tranquilas, mas quantos exemplos de superação e mudanças vemos no dia a dia, a ponto de muitos que veem falarem surpresos: “Esta é aquela pessoa que conheci a algum tempo atrás? Hoje está fazendo coisas que pensava que ela não tinha condições de fazer.” 
      Quantas conversões de pessoas que tinham uma vida de desamor e desrespeito ao próximo e tornaram-se santos da Igreja.
      Portanto, a pessoa que nasce, não vem com defeitos comportamentais prontos e acabados. Assim não podemos dizer que nasceu torta. É o meio, as condições sociais, sua formação, educação que podem conduzi-la a atitudes ruins, que mesmo assim poderão ser corrigidos e modificados. Então, a pessoa pode nascer em determinadas condições e situações e mudar a trajetória de sua vida e realizar grandes ações pessoais e humanitárias.


Pe. Emanuel Cordeiro Costa